A canção e o vídeo mais lindos

 

Esto no puede ser no mas que una canción

Quisiera fuera una declaración de amor

Romántica sin reparar en formas tales

Que ponga freno a lo que siento ahora a raudales

Te amo, te amo

Eternamente te amo

 

Si me faltaras no voy a morirme

Si he de morir quiero que sea contigo

Mi soledad se siente acompañada

Por eso a veces se que necesito

Tu mano, tu mano

Eternamente tu mano

 

Cuando te vi sabia que era cierto

Este temor de hallarme descubierto

Tu me desnudas con ciertas razones

Me abres el pecho siempre que me colmas

De amores, de amores

Eternamente de amores

 

Si alguna vez me siento derrotado

Renuncio a ver el sol cada mañana

Rezando el credo que me has enseñado

Miro tu cara y digo en la ventana

Yolanda, Yolanda,

Eternamente Yolanda

Isto não pode ser não mais que uma canção

Quisera fosse uma declaração de amor

Romântica, sem procurar em tais formas

Que ponham freio ao que sinto agora caudaloso

Te amo, te amo

Eternamente te amo

 

Se me faltares, não vou morrer-me

Se é pra morrer quero que seja contigo

Minha solidão se sente acompanhada

Por isso às vezes sei que necessito

Tua mão, tua mão

Eternamente tua mão

 

Quando te vi, eu sabia que era certo

Este temor de achar-me descoberto

Tu me desnudas com certas razões

Me abres o peito quando me acumulas

De amores, de amores

Eternamente de amores

 

Se alguma vez me sinto derrotado

Renuncio a ver o sol cada manhã

Rezando o credo que tu me ensinaste

Olho teu rosto e digo  na janela

Yolanda, Yolanda,

Eternamente Yolanda

Clique abaixo para saber mais

Eu Narciso

Fora de mim eu mesmo e o dito tal universo
dentro de mim eu e o tal dito universo
que já dizem multiverso
para além e aqui mesmo
dentro e fora de mim eu mesmo
narciso o fora só existe dentro
eu não o vejo nem a mim mesmo
além do espelho nas águas calmas
e assim eu vou levando
de um jeito bem feliz
como é e deve ser
para ser feliz

na tela de meu computador
o inseto insiste em passear
em cima destas palavras
letra após letra e espaços tentando se juntar
só pra dizer que sou feliz mas muito triste
neste jeito de ser feliz
em que a memória persevera

eu sinto que o mundo me ultrapassa
na corrida sem sentido de se ser
e no beco sem saída onde me encontro
reconheço que a aposta está perdida
No silêncio de um instante imaginário
eu procuro recompor a minha vida
nos pedaços que deixei pelo caminho:
é um mosaico muito estranho o que resulta
e embora relutante em me rever
na imagem reconheço uma saudade

Depois de mim a flor
tão bela aos que a olham no instante
e que rapidinho vai murchando
à beira da fonte, do regato
que corre para o rio para o mar
sem parar sem parar… lá vou eu

A busca da verdade dos fatos

Os jornalões da Direita Política Internacional como o El Mundo e a Folha Ditabranda se mancomunam: um distorce a fala de Lula e o outro ecoa a mentira como se fosse verdade, tentando provocar cizânia e enfraquecer os progressistas, neste caso específico Lula&Dilma e seus apoiadores.
Como Lula já é vacinado contra essa safadeza, sempre grava por conta própria o que diz e bota na Internet para conhecimento e tirocínio dos internautas:

Notem que os jornalões pegos na mentira não se retratam.

El Mundo apenas muda o que escreveu sem dizer que errou deturpando fala por ele gravada do entrevistado:

E a Folha Ditabranda apenas diz que que o El Mundo “corrigiu” o que escrevera mas, safada desesperada, a Folha Ditabranda reproduz novamente a mentira, sem mostrar a verdade corrigida pelos entrevistadores:

O frustrado Caetoso Velano e seu machismo explícito

Primeiramente a linda canção do Kid Abelhas com a voz de Paula Toller:

Kid Abelha:

Como Eu Quero

Leoni, Paula Toller

Diz prá eu ficar muda,
faz cara de mistério
Tira essa bermuda
que eu quero você sério…
Tramas do sucesso
mundo particular
Solos de guitarra
não vão me conquistar…
Uh! eu quero você,
como eu quero.
Uh! eu quero você,
como eu quero…(x2)
O que você precisa
é de um retoque total
Vou transformar o seu rascunho
em arte final…
Agora não tem jeito,
cê tá numa cilada
Cada um por si
você por mim e mais nada…
Uh! eu quero você,
como eu quero!
Uh! eu quero você,
como eu quero!…
Longe do meu domínio
cê vai de mal a pior
Vem que eu te ensino
como ser bem melhor…
Longe do meu domínio
cê vai de mal a pior
Vem que eu te ensino
como ser bem melhor…
(bem melhor!)…
Uh! eu quero você,
como eu quero!
Uh! eu quero você,
como eu quero!…(2x)
Uh! eu quero você,
como eu quero!
Uuuuuuuuuuhhh!
Uuuuuuuuuuhhh!…

Aí vem o sexagenário Caetoso Velano e suas frustrações vendendo por R$milhares uma trilha sonora para uma novela da Globo$onega, vinculada a uma personagem prostituta, com extremo machismo de velho que tem dificuldade com a própria idade, detonando a mulher com a qual não consegue “gozar“, aquela personagem que não quis/conseguiu ser a sua mãe, segundo Freud:

Caetano Veloso

Não Enche

Caetano Veloso

Me larga, não enche
Você não entende nada e eu não vou te fazer entender
Me encara de frente:
É que você nunca quis ver, não vai querer, não quer ver
Meu lado, meu jeito
O que eu herdei de minha gente e nunca posso perder
Me larga, não enche
Me deixa viver, me deixa viver, me deixa viver, me deixa viver
Cuidado, ô xente!
Está no meu querer poder fazer você desabar
Do salto, nem tente
Manter as coisas como estão porque não dá, não vai dar
Quadrada, demente
A melodia do meu samba põe você no lugar
Me larga, não enche
Me deixa cantar, me deixa cantar, me deixa cantar, me deixa cantar
Eu vou
Clarificar a minha voz
Gritando: nada mais de nós!
Mando meu bando anunciar:
Vou me livrar de você
Harpia, aranha
Sabedoria de rapina e de enredar, de enredar
Perua, piranha
Minha energia é que mantém você suspensa no ar
Pra rua! se manda
Sai do meu sangue, sanguessuga que só sabe sugar
Pirata, malandra
Me deixa gozar, me deixa gozar, me deixa gozar, me deixa gozar
Vagaba, vampira
O velho esquema desmorona desta vez pra valer
Tarada, mesquinha
Pensa que é a dona e eu lhe pergunto: quem lhe deu tanto axé?
À-toa, vadia
Começa uma outra história aqui na luz deste dia D:
Na boa, na minha
Eu vou viver dez
Eu vou viver cem
Eu vou viver mil
Eu vou viver sem você