OM. O Verbo. Amém!


O significado de OM?

By Going Om Postado 4 de maio de 2017 In Insight

No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus“. É uma característica particularmente humana ter curiosidade sobre nossas origens e as origens do nosso universo. Como poderia tanto – a diversidade de nosso planeta, a vastidão do nosso sistema solar, o desconhecido atinge o espaço – vem do nada? As tradições espirituais de todo o mundo têm lidado com esta questão e reconheceram o papel profundo do Verbo Divino como as origens, o princípio, do universo. Se no início não houvesse nada, a primeira coisa era uma vibração sonora, e de lá tudo brotou e o mundo material nasceu. E a ciência ocidental agora está chegando a bordo também: os físicos quânticos têm estudado o papel da vibração na raiz da própria matéria.

E, a partir de uma perspectiva yóguica, existe uma conexão profunda entre a fala (a expressão dos nossos pensamentos) e o prana (a energia da vida carregada na respiração). Quando falamos, estamos nomeando nossa realidade, enquanto usamos o poder da respiração para formar e expressar nossas palavras. A fala é prana em ação. Prana, naturalmente, cria som.

Masaru Emoto, pesquisador japonês que explorou os efeitos do som de diferentes palavras na água, demonstrou o poder do nosso discurso e nossa intenção sobre a matéria que nos rodeia e dentro de nós. O potencial de vibração e intenção de som na criação de nossa realidade foi explorado em grande profundidade pelos yogues antigos, bem como em autores modernos como Esther Hicks. Os que curam com som usam cantar e tonificar para criar profunda transformação no corpo e na mente. Como entender tudo? Talvez o melhor lugar para começar seja no início.

As raízes culturais e históricas de OM

A sílaba OM é uma antiga letra sânscrita encontrada pela primeira vez nos Vedas, originada entre 1500 a 1200 aC. Uma coleção de hinos em sânscrito védico foi cantada em louvor do Divino. Eles não foram escritos no início, mas foram vibrados na existência usando o discurso humano. Os ensinamentos sobre a metafísica do OM foram posteriormente elaborados nos Upanishads, textos místicos indianos antigos. Mais tarde, os Yoga Sutras de Patanjali categorizaram os 8 membros do Yoga. O sexto destes, Dharana, que significa concentração, descreveu vários métodos de apoio à mente para alcançar uma atenção focalizada. Repetindo um mantra, e especialmente essa sílaba OM, era um aspecto importante para realizar esta sexta etapa do yoga, ou união com as origens Divinas. Anne Dyer, especialista em yoga de som, em uma entrevista com Rodney Yee, explica que Patanjali ensinou isso: “Cante Om e você alcançará seu objetivo. Se nada mais funcionar, basta cantar Om.”

Sree Devi Bringi, um erudito nas religiões orientais e estudos de yoga da Universidade de Naropa, afirma que o principal ensinamento do OM nesses textos antigos foi experimentar a percepção não dual, que também é objetivo de toda a prática de yoga.

O que é OM? O primordial mantra da sílaba semente

Sementes, ou bijas, são mantras de sílaba única da língua sânscrita. Existem oito sílabas de sementes shakti primordiais, incluindo OM.

David Frawley, em seu livro Mantra Yoga e Primal Sound, escreve: “Os mantras Shakti bija são provavelmente os mais importantes de todos os mantras, seja para meditação, adoração de deidades, prana energizante ou para fins de cura. Eles carregam as grandes forças da Natureza, como as energias do Sol e da Lua, do Fogo e da Água, eletricidade e magnetismo, não apenas como fatores externos, mas como potenciais internos da Luz Divina. Eles projetam vários aspectos da força e radiação para o corpo, a mente e a consciência. Eles mantêm, ressoam e propulsam a força Kundalini de maneiras específicas e transformadoras. Abaixo está uma tabela simples das principais energias (Shaktis) dos mantras Shakti “.

Energia prânica: Energia Om do som: Objetivo energia Solar; Energia Hrim lunar; Energia Shrim elétrica; Energia Krim magnética; Poder Klim do fogo; Poder Hum para parar; Poder Hlim para estabilizar; Poder Strim para transcender: Trim.

OM, a primeira dessas sílabas e carregando uma imensa energia de força prânica, é uma sílaba mística, considerada o mantra mais sagrado no Hinduísmo e no budismo tibetano. Aparece no início e no final da maioria das recitações, orações e textos sânscritos. Om Namah Sivaya é apenas um dos muitos exemplos em que o OM está incluído no início dentro de um mantra maior. Considerado representar o som primitivo ou primordial do Universo, o OM nos conecta e carrega o Divino em forma vibratória, tornando nossas orações e mantras mais efetivas com seu aumento de energia prânica.

Qual é o significado de OM?

Os mantras semente como OM não são palavras comuns com definições de dicionário. Esses mantras são mais sobre o conteúdo vibratório do que o significado. Frawley novamente: “Om é a Palavra de Deus“. O som OM é uma vibração a partir da qual todo o universo manifesto emana. Forma e criação provêm da vibração. OM é a vibração mais elementar. É o som do vazio. Frawley diz: “Om é o mantra principal do eu Superior, ou Atman. Ele nos harmoniza com nossa verdadeira natureza. É o som do criador, conservador e destruidor do universo, que também é o guru interno e principal professor. Ele reflete tanto o manifesto como não manifesto Brahman, sustentando a vibração do ser, a vida e a consciência em todos os mundos e em todas as criaturas”.

AUM – Criador, Preservador, Destruidor

OM é também escrito e pronunciado AUM, um prolongamento dos sons individuais contidos no OM. Cada uma das três letras e sons, corresponde a um aspecto diferente do divino. O primeiro som, A, invoca Brahma, o aspecto criativo. O som U invoca Vishnu, o conservador. E o som M, Shiva, representa o aspecto destrutivo de Deus. Então, os três sons nessa sílaba nos fazem lembrar esses três aspectos do Divino, sem os quais nada existe, tudo é sustentado, e todas as coisas se dissolvem de volta ao vazio. Depois que alguém canta AUM e levou esta jornada através da transformação do cosmos, é tradicional pausar e sentar em silêncio e experimentar esse vazio criativo, vibrando com aquela vibração primordial.

OM e Amén

De acordo com Paramahansa Yogananda, autor do texto clássico Autobiografia de um Yogi: “Om ou Aum dos Vedas tornou-se a palavra sagrada Hum dos tibetanos, Amin dos muçulmanos e Amén dos egípcios, gregos, romanos, judeus e cristãos”. A sílaba foi traduzida para diferentes idiomas, culturas e tradições religiosas, mas o poder criativo e transformador do som permanece o mesmo.

Na Bíblia, a palavra Amém está conectada ao início da criação do Universo: “Estas coisas dizem o Amém, o fiel e verdadeiro testemunho, o início da criação de Deus“.

Como aproveitar o poder de OM

Na tradição yóguica, o mantra é uma ferramenta poderosa para focar e acalmar a mente. Tente respirar profundamente e repita o som OM enquanto mantém sua consciência na coroa da sua cabeça ou no terceiro olho na testa. Ou repita OM, ou um mantra que incorpora OM, 108 vezes com a ajuda de uma mala (rosário). Chamado Japa Yoga, isso mantém a mente focada e infunde o corpo, mente e coração com as qualidades do mantra.

Na tradição de yoga Bhakti (devoção), cantar ou entoar os nomes de Deus abre o coração e traz um para um estado de bem-aventurança. Om Gam Ganapataye Namah invoca e elogia Ganesha, o deus da abundância e destruidor de obstáculos. Ao cantar OM antes do restante do mantra, alguém chama o poder da palavra e as origens primordiais do som.

O OM está mais associado ao 6º (ponto na testa) e 7º (topo da cabeça) chacras. Outras sílabas estão conectadas a cada um dos outros chacras. Tente cantar estes quando você se concentrar em cada chakra ou área do corpo:

LAM” – chakra 1 (raiz)

VAM” – chakra 2 (sacral/umbigo)

RAM” – chakra 3 (plexo solar)

YAM” – chakra 4 (coração)

HAM” – chakra 5 (garganta)

OM“- chakra 6 (terceiro olho/testa)

OM“- chakra 7 (coroa/topo da cabeça)

Finalmente, Anne Dyer sugere que, em nossa prática de cânticos, progredirmos de cantar OM em voz alta para sussurrar a sílaba. Isso está treinando a mente para se concentrar no sutil. Quando diminuímos o volume, devemos aumentar nossa atenção. Quando a mente está ouvindo atentamente, a mente não está ocupada pensando. No silêncio, podemos começar a ouvir a quietude, o som do vazio. Ouvir profundamente a quietude é uma prática meditativa profunda que nos conecta ao poder da criação e do divino.

No final, explorando a sílaba OM e o poder do som podem nos lembrar de tratar nossas palavras como sagradas, criativas e divinas. O que pensamos e dizemos, criamos. Somos criadores poderosos! Que nossas palavras, através do nosso uso consciente delas, recuperem seu poder transformador, e que o Divino fale através de nós, enquanto trazemos mais e mais consciência às vibrações que criamos com nossos pensamentos e palavras. Om Shanti.

Cortesia de Rachel Zelaya via GAIA.COM

नमो नमः
Namo Namah!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s