O massacre sem provas de Abu Salim

.
Não existem provas ou evidências de um massacre de 1.200 presos em Abu Salim.

O que parece evidente é que algumas dezenas de mortes ocorreram na repressão a uma violenta tentativa de fuga da prisão líbia de Abu Salim, em Trípoli, em junho de 1996, assim como várias outras mortes aconteceram naquela prisão antes e depois daquela data, em vários e violentos motins e tentativas de fuga.

Mas é totalmente certo que o massacre de 1.200 presos executados a tiros num prazo de 3 horas consta apenas em dois relatos, de duas pretensas testemunhas, sendo uma delas anônima, divulgados por duas organizações com grandes evidências de oposição política explícita ao regime vigente na Líbia e ao governo de Muammar Qaddafi.

Um desses relatos foi divulgado pela organização Human Rights Watch com base no depoimento de um único testemunho de um ex-detento que alega ter presenciado muitas coisas em vários lugares da prisão naquelas poucas horas, mas que não presenciou um preso sequer sendo baleado e também não apresentou qualquer prova ou evidência de suas alegações e que hoje reside nos Estados Unidos da América, asilado e protegido pelo governo norte-americano.

O outro relato, baseado em um único depoimento de uma testemunha anônima, foi divulgado pela Frente Nacional para a Salvação da Líbia, uma organização oposicionista sediada no exterior e que atualmente compõe o Conselho Transitório Nacional da Líbia, organização traidora que exigiu da Otan o bombardeio de seu próprio povo, o que, juntamente com seu exército de “rebeldes” malfeitores e sanguinários, num prazo de 6 meses, matou 50 mil líbios e destruiu seu próprio e belo país, o mais moderno e avançado socialmente em toda o continente africano, mais até que vários países da Europa. Por isso a FNSL, o CTN, os “rebeldes” e a Otan são odiados por 90% da população líbia.

Enfim, o massacre de 1200 presos em Abu Salim é exclusividade desses dois depoimentos, contraditórios e sem credibilidade,  que foram intensamente divulgados e martelados em grandes manchetes pelos jornais e mídias de todo o mundo, como verdades, sem qualquer contestação, demonizando o governo líbio e seu líder Muamar Qaddafi.Desde 1996, sem qualquer prova ou evidência, essa mentira vem sendo manipulada pela mídia corporativa globalizada.

A última tentativa foi no final de setembro, quando todos os jornais e mídias do mundo manchetearam “Encontrada vala comum em Abu Salim com 1700 ossadas”. Dois dias depois a verdade veio à tona: eram apenas alguns ossos de dromedário. Mas 99% da mídia sequer corrigiu suas afirmações do dia anterior. São tantas as mentiras que ela conta que nem tem tempo para retificá-las nem mesmo tem qualquer respeito pelo leitor para o qual ela informou a mentira.

Também a Human Rights Watch paga o preço de sua irresponsabilidade, nestes tempos de internet, de fácil acesso ao contraditório, à opinião e às variadas fontes de informação. Essa organização que se pretende “não governamental”, mas que a cada momento deixa escancarada sua total vinculação aos interesses estratégicos dos EEUU e seus órgãos de inteligência, produzindo relatórios seletivos e direcionados, que demonizam países e governantes e servem de álibi para intervenções armadas dos governos desses países imperialistas que violentam a soberania dos demais países do mundo, a título de “defender direitos humanos”.

A seguir apresentamos um texto analítico de Martin Iqbal sobre os relatórios do HRW e da FNSL. Também apresentamos o relatório original da HRW, para que o leitor possa melhor tirar suas próprias conclusões.
.

.
Desmascarando: a fraude do
“massacre da prisão Abu Salim”

Postado originalmente no Mathaba em 28.09.2011

É altamente provável que a violenta fuga organizada em Abu Salim, em Junho de 1996 esteve relacionada com as contínuas tentativas do MI6 para matar Muammar Qaddafi.

Por Martin Iqbal

Até o momento a Líbia tem sido submetida a décadas de intromissão estrangeira e tentativas para assassinar e destituir seu líder Muammar Qaddafi. Ao longo deste tempo, os grupos de oposição da Líbia com sede no estrangeiro e os engenhos de propaganda globalistas têm incessantemente citado atrocidades supostamente cometidas por Gaddafi, e nenhuma é mais infame e abusada do que o “massacre da prisão de Abu Salim” de junho de 1996. Isso agora está sendo invocado novamente em uma tentativa de justificar a brutal guerra que está sendo empreendida contra o povo da Líbia.

Os eventos do “massacre da prisão Abu Salim” estão baseados em dois relatórios – um do Human Rights Watch, financiado pelos globalistas e sediado em Nova York e um da Frente Nacional para a Salvação da Líbia (NFSL) criada pela CIA-Mossad. As origens e raízes destas organizações emprestam-lhes credibilidade zero e, além disso, seus relatórios são baseados em nada mais do que o testemunho de duas pessoas – uma identificada e uma anônima.

Abertamente admitido pela Human Rights Watch, nenhuma das alegações feitas por seus testemunhos pode ser verificada independentemente. Além de tudo isso a sua testemunha afirma na gravação que ela não testemunhou sequer um único prisioneiro sendo morto a tiros neste suposto massacre. Além disso, como vou demonstrar, os relatórios estão crivados de contradições e fraquezas. Ao todo, esses fatores e o contexto histórico que os envolve, desmascara completamente a natureza artificial da história do “massacre de Abu Salim”.

A história começa no complexo prisional de Abu Salim, Tripoli, em junho de 1996. Depois de várias tentativas de fuga bem sucedidas e mal sucedidas organizadas por prisioneiros em Abu Salim ao longo dos anos anteriores, a segurança foi aumentada no complexo e as condições de vida pioraram para os detentos.

Segundo o relatório do NFSL, às “16:30h na sexta-feira 29 de junho de 1996″ (29 de junho de 1996 foi na realidade um sábado) um guarda da prisão chamado Omar Fathallah, entrou em uma cela, a fim de trazer comida para os presos. Presos estavam esperando atrás da porta, e quando Fathallah entrou ele foi nocauteado até à inconsciência pelos presos que então tentaram fugir. Os presos começaram a sair para o pátio da prisão, quebrando as fechaduras das celas dos outros prisioneiros”, como foram:

Os prisioneiros continuaram a perseguir os guardas fora do prédio e a quebrar as fechaduras em outras celas libertando outros presos.

E aqui estabelece o primeiro, ainda que relativamente insignificante contradição. A testemunha da Human Rights Watch, Hussein al-Shafa’i, apresentou depoimentos conflitantes – ele afirmou que este incidente ocorreu em 28 de junho em oposição a 29 de junho de 1996:

De acordo com al-Shafa’i, o incidente começou por volta de 4:40 da tarde em 28 de junho, quando os prisioneiros no Bloco 4 capturaram um guarda chamado Omar, que estava trazendo as suas refeições. Centenas de prisioneiros de blocos 3, 5 e 6 escaparam de suas celas.

Quando os guardas foram perseguidos nos pavilhões, um deles foi deixado caído ferido no chão no pátio, enquanto outro foi içado para a segurança por outros guardas que ficavam no telhado. O relatório do NFSL aqui menciona que os guardas começaram a disparar contra os presos no pátio, matando seis e ferindo 11. O HRW no entanto, menciona apenas uma morte neste momento – a de Mahmoud al-Mesiri. “Havia 16 ou 17 feridos por balas”, o testemunha da HRW nos diz: “o primeiro a morrer foi Mahmoud al-Mesiri. Os presos tomaram dois guardas reféns.

Com um guarda jazendo ferido no chão no pátio e Omar Fathallah tendo sido morto pelos presos, uma equipe de negociação chegou à prisão para discutir as demandas dos presos. Crucialmente o relatório do NFSL não menciona o fato de que Omar Fathallah foi morto pelos presos, apenas o relatório da HRW o faz. Nesta omissão deliberada, o relatório do NFSL falha até mesmo em mencionar o fato de que Fathallah morreu, de qualquer modo.

Com a equipe de negociação tendo chegado em Abu Salim, os prisioneiros foram orientados a designar representantes de cada pavilhão. A condição das negociações foi que os dois reféns teriam que ser libertados pelos presos. O guarda ferido mantido refém no pátio foi libertado, mas Omar Fathallah já havia sido morto. Os presos apresentaram suas demandas aos negociadores depois de concordar em retornar às suas celas.

Os “prisioneiros do ônibus executados”

Foi então que o relatório do NFSL falou de alguns prisioneiros sendo amontoados em ônibus:

Todos aqueles com necessidade de atenção médica foram orientados a embarcar em ônibus que iriam levá-los para os hospitais. Cerca de 120 pessoas embarcou nos ônibus. Aqueles que foram acusados de pertencer a grupos de oposição foram obrigados a descer dos ônibus. Todos os outros foram levados para fora da seção de prisão para uma parte diferente do complexo prisional.

O relatório então afirma que alguns desses presos, mas não indica quantos, foram executados por recrutas do exército líbio a quem foram dadas ordens de “matar ou ser morto”. Não há nenhuma evidência para essa afirmação, mas o relatório do NFSL cita um anônimo “guarda de prisão” que supostamente fugiu e contou a sua história:

Eles foram alinhados e fuzilados no estilo de execução por jovens recrutas cujas opções foram atirar ou ficar com eles para serem fuzilados. Isso foi mais tarde relatado por um oficial, que desafiou as ordens naquela noite e conseguiu fugir.

Referindo-se às “execuções no ônibus”, o relatório da HRW cita o relatório do NFSL e afirma que “muitos deles foram executados”, mas não oferece números ou detalhes.

Cronogramas conflitantes: quando o “massacre” subsequente realmente ocorre?

O relatório do NFSL então fala de como, na noite de ‘Sexta-feira 29 de junho “(novamente, 29 de junho de 1996 foi na verdade um sábado), os presos foram reunidos no pátio da prisão e então o “massacre” começou às 23:00h naquela noite.

No entanto, o relatório da HRW afirma que Omar Fathallah foi nocauteado inconsciente e a violência eclodiu às 16:40h de 28 de junho. Sua testemunha, em seguida, afirma que o “ajuntamento” aconteceu às 05:00h do dia 29 de junho, e o “massacre” então começou às 11:00h aquela manhã.

De acordo com o NFSL, o “massacre” começou às 23:00h em 29 de junho, quando granadas de mão foram lançadas no pátio e o tiroteio começou. A cronologia diferente da HRW fala de como o “massacre” continuou das 11:00h até 13:35h em 29 de junho. Em seguida, aparentemente, os guardas começaram a “dar cabo” dos presos com pistolas às 14:00h.

Al-Shafa’i não viu um único preso morto por tiro

Crucial, e isto deve-se ressaltar enfaticamente, a única testemunha da HRW, Hussein al-Shafa’i, não viu um único preso sendo baleado durante o suposto massacre. Convenientemente no entanto, ele foi capaz de ver as bandanas verdes usadas pelos homens fazendo os disparos a partir do telhado:

Eu não podia ver os prisioneiros mortos que foram baleados, mas eu podia ver aqueles que estavam atirando. Eles eram uma unidade especial e usando chapéus militares cáqui. Seis estavam usando kalashnikovs eu os vi – ao menos seis homens – nos telhados dos pavilhões. Eles estavam usando uniformes cáqui bege com bandanas verdes, uma coisa como turbante. Cerca de 14:00h as forças utilizaram pistolas para ‘acabar com aqueles que não estavam mortos’, disse ele.

Não tendo visto os presos que foram supostamente baleados, al-Shafa’i fornece ao HRW uma estimativa de quantos foram alegadamente mortos “pela contagem do número de refeições que ele preparou antes e depois do incidente”. Há uma série de problemas usando isso como base para calcular quantos foram mortos. Em primeiro lugar, al-Shafa’i não indica o período de tempo em que ele contou as refeições. Foi no dia seguinte, ou foi em todos os dias pelo próximo mês? Além disso, há toda uma série de razões pelas quais menos refeições podem ter sido preparadas após o incidente. Talvez a logística da prisão foi jogada no caos pela tentativa de fuga e as mortes de guarda e prisioneiros, e como resultado algumas refeições foram omitidas.

Talvez as autoridades penitenciárias decidiram punir os presos pela violenta tentativa de fuga, e omitiram refeições (cruel como isto pode ser).

Mais importante no entanto, devemos acreditar que um homem foi responsável por preparar as refeições para uma população prisional de entre 1.600 e 1.700 detentos? Se uma refeição levasse apenas um minuto para preparar, isso tomaria de al-Shafa’i 1.600 minutos – que são 26,6 horas. Seria literalmente impossível para um homem fazer isso todos os dias.

Além disso, al-Shafa’i afirma que ele foi “requisitado pelos guardas da prisão para lavar os relógios que foram retirados os corpos dos prisioneiros mortos e estavam cobertos de sangue“. Por que ele não contou os relógios? Isso não é discutido no relatório de HRW.

Esta altamente questionável testemunha “astro” que admite nem ter visto alguém levar um tiro, então passa a afirmar que os corpos dos prisioneiros mortos foram colocados em valas e concreto foi derramado sobre elas. Posteriormente, os corpos foram removidos, ele nos diz:

Eles jogaram os corpos em valas – 2 a 3 metros de profundidade, um metro de largura e cerca de 100 metros de comprimento – que tinha sido escavado para um novo muro … Em 1999, oficiais de segurança derramaram cimento sobre a vala, ele afirmou, embora ele acreditasse que mais tarde eles tiveram os corpos removidos.

A idéia de que os corpos foram transferidos é uma desculpa conveniente para os 1.200 corpos não sendo encontrados em Abu Salim – uma eventualidade que parece inevitável, considerando a natureza ridiculamente frágil de toda a história. Os lacaios não eleitos e os terroristas da NTC já estão tentando reacender esta fábula com a ajuda da mídia.

Conclusão: 1996 e o contexto mais amplo

Está perfeitamente claro que o “massacre de Abu Salim” não foi nada do tipo. Mesmo o NFSL admite que o que aconteceu foi uma tentativa de fuga violenta, uma vez que menciona guardas sendo atacados e fechaduras de celas sendo quebradas. Como resultado disso um guarda foi morto, um foi tomado como refém, e um número de presos foi morto quando os guardas da prisão reagiram para conter a violência. Isto é corroborado no próprio relatório da HRW, onde cita “Khaled”, o chefe da Agência de Segurança Interna da Líbia:

Os prisioneiros haviam capturado alguns guardas durante uma refeição e tomaram armas do depósito da prisão. Prisioneiros e guardas morreram quando o pessoal de segurança tentou restaurar a ordem

A acusação de que 1.200 foram mortos não é sustentada por qualquer evidência física que seja, e além de tudo isso, a única testemunha identificada na qual a história articula nem sequer viu um único tiro. Além do mais, como demonstrado, os testemunhos de ambas as testemunhas simplesmente não são credíveis e conflitam entre si.

Para contexto mais amplo, devemos considerar um fator importante. 1996 foi um momento em que MI6 estava montando tentativas de assassinar Muammar Gaddafi usando extremistas da “al Qaeda” para quem pagou uma grande soma de dinheiro. A prisão de Abu Salim – e isto é abertamente declarado pelo relatório do NFSL – foi utilizado para a casa de “membros de um grupo da cidade de Derna”. Derna é a própria cidade mencionada no infame relatório West Point que acharam que fosse um celeiro/viveiro para lutadores da extremista “al-Qaeda “. Esses extremistas tinham lutado no Iraque e no Afeganistão contra as forças de ocupação. Além disso, esses mesmos grupos estão agora sendo apoiados pela OTAN na Líbia em sua tentativa de derrubar Gaddafi – como eles têm sido, pelo menos, nas últimas três décadas, como indicado pela revista Newsweek em 1981.

De fato, o relatório de HRW cita o chefe da Agência de Segurança Interna da Líbia como segue:

De acordo com Khaled, mais de 400 prisioneiros escaparam de Abu Salim em quatro fugas distintas, antes e depois do incidente: em julho de 1995, dezembro de 1995, junho de 1996 e julho de 2001. Entre os fugitivos estavam homens que, em seguida, lutaram com grupos militantes islâmicos no Afeganistão, Irã e Iraque, disse ele.

Não é apenas provável, mas altamente provável, que a violenta fuga organizada em Abu Salim, em Junho de 1996 (que foi parcialmente bem sucedida) estava relacionada com as tentativas em curso do MI6 para matar Gaddafi usando os grupos de que estavam detidos naquela prisão. Desde aquele tempo, grupos de oposição da Líbia com suporte estrangeiro, como o NFSL, e engenhos de propaganda globalista tais como a Human Rights Watch, têm distorcido e manipulado a verdade sobre “Abu Salim, em uma tentativa de tanto juntar os combatentes extremistas contra Gaddafi, e justificar a brutal, ilegal guerra de agressão agora sendo empreendida na Líbia.

.

.
O Relatório da Human Rights Watch

Líbia: Junho de 1996. Mortes na prisão de Abu Salim

No Verão de 1996, histórias começaram a filtrar fora da Líbia sobre um assassinato em massa na prisão de Abu Salim, em Trípoli. Os detalhes permaneceram escassos, e o governo inicialmente negou que um incidente tinha acontecido. Grupos líbios fora do país, disseram que até 1.200 prisioneiros morreram.

Em 2001 e 2002, autoridades líbias começaram a informar algumas famílias com parente em Abu Salim que o membro de sua família tinha morrido, embora não fornecessem o corpo ou detalhes sobre a causa da morte. Em abril de 2004 o líder líbio Mu’ammar al-Qadhafi publicamente reconheceu que mortes ocorreram em Abu Salim e disse que as famílias dos prisioneiros tem o direito de saber o que aconteceu.

Em Maio de 2005, a Human Rights Watch visitou a prisão de Abu Salim, gerida pela Agência de Segurança Interna. O Chefe da Agência Coronel Tohamy Khaled disse que o governo tinha aberto uma investigação sobre o incidente de 1996, mas não forneceu informações sobre a forma ou a tempestividade do inquérito. A Human Rights Watch posteriormente pediu ao governo líbio detalhes sobre a investigação, mas o governo não conseguiu responder.

Presos na prisão de Abu Salim entrevistados pela Human Rights Watch em maio não estavam dispostos a falar sobre o incidente, aparentemente por medo. As entrevistas focaram em seus casos pessoais e todos eles disseram que recentemente melhoraram as condições na prisão.

Em Junho de 2004 e novamente em Junho de 2006, no entanto, a Human Rights Watch entrevistou um antigo prisioneiro de Abu Salim que afirma ter testemunhado as mortes. Agora vivendo nos Estados Unidos Estados, onde ele pediu asilo, Hussein al-Shafa’i, disse que ele passou de 1988-2000 em Abu Salim em acusações políticas, mas nunca foi levado a julgamento, e trabalhou na cozinha da prisão em Junho de 1996. A Human Rights Watch não conseguiu verificar suas afirmações, mas muitos detalhes são consistentes com um relatório de um grupo de migrantes da Líbia baseado em outro relato de testemunha.

De acordo com al-Shafa’i, o incidente começou em torno de 16:40h em 28 de Junho, quando presos no Bloco 4 apreenderam um guarda chamado Omar que estava trazendo sua comida. Centenas de prisioneiros dos blocos 3, 5 e 6 escaparam de suas celas. Eles estavam irritados com as restrições de visitas familiares e as más condições de vida, que haviam se deteriorado depois que alguns presos escaparam no ano anterior.

Al-Shafa’i disse à Human Rights Watch:

Cinco ou sete minutos depois que começou, os guardas nos telhados atiraram nos presos que se encontravam em áreas abertas. Foram 16 ou 17 feridos por balas. O primeiro a morrer foi Mahmoud al-Mesiri. Os presos tomaram dois guardas de reféns.

Meia hora depois, disse al-Shafa’i, dois principais agentes de segurança, Abdullah Sanussi, que é casado com a irmã da esposa do al-Qadhafi, e chegou a Nasr al-Mabrouk num Audi verde escuro com um contingente de pessoal de segurança. Sanussi ordenou o tiroteio parar e disse a prisioneiros para designar os quatro representantes para as negociações. Os prisioneiros escolheram Muhammad Al-Juweili, Muhammad Ghlayou, Miftah al-Dawadi e Bosadra de Muhammad.

De acordo com al-Shafa’i, que disse que observou e ouviu as negociações desde o cozinha, os prisioneiros pediram a Sanussi roupas limpas, recreação na área externa, melhores cuidados médicos, visitas familiares e o direito a ter seus processos decididos perante um Tribunal, porque muitos dos presos estavam na prisão sem julgamento. Sanussi disse que trataria das condições físicas mas os presos tinham que retornar para suas celas e liberar os dois reféns. Os presos concordaram e liberaram um guarda chamado Atiya, mas o guarda Omar tinha morrido.

O pessoal de segurança levou os corpos dos mortos e enviou os feridos para cuidados médicos. Cerca de 120 outros prisioneiros doentes embarcaram em três ônibus, aparentemente para ir para o hospital. De acordo com al-Shafa’i, ele viu os ônibus levarem os presos para a parte traseira da prisão.

Em torno de 05:00h em 29 de Junho, forças de segurança moveram alguns dos prisioneiros entre as seções civis e militares da prisão. Por volta das 09:00h eles tinham forçado centenas de presos dos blocos 1, 3, 4, 5 e 6 em diferentes pátios. Eles moveram os presos de baixa segurança do bloco 2 para a seção militar e mantiveram os prisioneiros nos blocos 7 e 8, com celas individuais, dentro. Al-Shafa’i, que estava atrás do edifício da administração com outros trabalhadores de cozinha no momento, disse à Human Rights Watch o que aconteceu a seguir:

Às 11:00h uma granada foi lançada dos pátios. Eu não vi quem jogou, mas eu tenho certeza que era uma Granada. Eu ouvi uma explosão e logo após um tiroteio ininterrupto de armas pesadas e kalashnikovs começou partir do topo dos telhados. O tiroteio continuou de 11:00h até 13:35h.

Ele continuou:

Eu não podia ver os presos mortos que foram baleados, mas eu podia ver aqueles que estavam atirando. Eles eram uma unidade especial e vestindo chapéus militares cáqui. Seis estavam usando kalashnikovs. Eu os vi – pelo menos seis homens – nos telhados dos pavilhões. Eles estavam usando uniformes cáqui bege com bandanas verdes, algo como um turbante. Em torno de 14:00h as forças usaram pistolas para “terminar com aqueles que não estavam mortos,” ele disse.

A prisão de Abu Salim mantinha entre 1.600 e 1.700 prisioneiros no momento e as forças de segurança mataram “cerca de 1.200 pessoas,” al-Shafa’i, disse. Ele calculou este valor contando o número de refeições que preparou antes e após o incidente.

A limpeza começou em torno de 11:00 no dia seguinte, 30 de Junho, quando as forças de segurança removeram os corpos com carrinhos de mão. Eles jogaram os corpos em valas – 2 a 3 metros de profundidade, um metro de largura e cerca de 100 metros de comprimento – que tinha sido cavado para um novo muro. “Fui requisitado pelos guardas da prisão para lavar os relógios que foram retirados dos corpos dos prisioneiros mortos e estavam cobertos de sangue“, disse al-Shafai’i. Em 1999, agentes de segurança derramaram cimento sobre a vala, ele afirmou, embora ele acreditasse que os corpos foram removidos mais tarde.

A outra descrição do incidente vem de um relatório da Frente Nacional para a Salvação da Líbia, um grupo de políticos de oposição baseado fora da Líbia. Aproveitando o relato de um antigo prisioneiro anônimo que testemunhou o incidente (não al-Shafa’i), o relatório corrobora em grande parte o relato de al-Shafa’I.

O relatório da Frente Nacional diz que 120 prisioneiros doentes e feridos embarcaram no ônibus em 28 de Junho para receber cuidados médicos, mas que muitos deles foram executados, embora ele não forneça detalhes. No dia seguinte em torno de 11:00h, o relatório diz, “granadas de mão foram lançadas nos grupos de prisioneiros, seguidos por disparo contínuo de diferentes armas como AK-47s, metralhadoras de uso geral, metralhadoras de controle de multidão. A chuva de balas continuou por uma hora inteira”.

O relatório não menciona valas, mas diz que caminhões refrigerados da Companhia de Transporte de Carne e da Companhia de Pesca Marinha levaram os corpos embora.

Em 30 de Junho, uma empilhadeira carregou os últimos corpos em um contêiner para os comboios. No total, 1.170 prisioneiros morreram, o relatório diz, mas não fornece nenhum nome.

O Governo da Líbia negou que tenha ocorrido qualquer crime. Em Maio de 2005, o chefe da Agência de Segurança Interna Khaled disse à Human Rights Watch que prisioneiros haviam capturado alguns guardas durante uma refeição e tomado armas do depósito da prisão. Prisioneiros e guardas morreram quando o pessoal de segurança tentou restaurar a ordem, disse ele, e o governo abriu um inquérito por ordem do Secretário de Justiça.

“Quando o Comitê concluir seu trabalho, porque ele já foi iniciado, nós daremos um relatório detalhado respondendo todas as perguntas,” Khaled disse.

De acordo com Khaled, mais de 400 presos escaparam de Abu Salim em quatro fugas separadas antes e após o incidente: em julho de 1995, em Dezembro de 1995, em Junho de 1996 e em Julho de 2001.

Entre os fugitivos estavam homens que, em seguida, lutaram em grupos militantes islâmicos no Afeganistão, Irã e Iraque, disse ele.

Um grupo da Líbia com base na Suíça, Solidariedade Direitos Humanos Líbios, diz que desde 2001 as autoridades notificaram 112 famílias que um parente mantido em Abu Salim morreu, sem providenciar o corpo ou detalhes sobre a causa da morte. Além disso, 238 famílias afirmam que perderam o contato com um parente que estava preso em Abu Salim.

A organização expressou preocupação sobre um dos quatro prisioneiros negociadores de 28 de Junho, Muhammad Bosadra. De acordo com o grupo, as autoridades transferiram Bosadra de Abu Salim para instalações desconhecidas no Verão de 2005 e desde então ninguém mais ouviu dele.

A Human Rights Watch falou com o irmão de um antigo prisioneiro de Abu Salim a quem as autoridades tinham informado da morte de seu irmão.

De acordo com Farag al-Awani, agora vivendo na Suíça, agentes de segurança prenderam seu irmão Ibrahim al-Awani, com 25 anos na época, na casa da família em al-Bayda em julho de 1995. A família nunca mais ouviu de Ibrahim novamente.

Em 2002, membros da Agência de Segurança Interna da Líbia disseram à família que Ibrahim tinha morrido em um hospital de Trípoli devido à doença. Um atestado de óbito que eles forneceram, visto por pelo HRW, dizia que Ibrahim havia morrido em 3 de julho de 2001, mas não deu nenhuma causa de morte. Apesar de repetidas solicitações, as autoridades nunca devolveram o corpo, nos termos da lei da Líbia. Ele não tem claro se Ibrahim al-Awani morreu no incidente de Junho de 1996, ou em outro momento.

Nós só queremos saber o que aconteceu e ter o corpo de volta“, Farag al-Awani disse.

O relatório original está disponível no sítio da HRW na internet: http://www.hrw.org/sites/default/files/reports/libya2003.pdf

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s