Essa história vem de longe: invasão da Líbia e assassinato de Qaddafi já planejado em 1981

Newsweek, 03/08/1981, pg 19:
Um plano para derrubar Kaddafi:
Os detalhes do plano estavam incompletos, mas parecia ser uma clássica campanha de desestabilização da CIA. Um componente era um programa de ‘desinformação’ destinado a embaraçar e constranger Kaddafi e seu governo. Outra era a criação de um ‘contra governo’ para desafiar sua pretensão à liderança nacional. Um terceiro – potencialmente o mais arriscado – era uma campanha de escalada paramilitar, provavelmente por cidadãos líbios descontentes, para explodir pontes, conduzir operações de guerrilha de pequena escala e demonstrar que Kaddafi é contestado por uma força política nativa”.

CONFIRMADO: a guerra na Líbia é uma operação da CIA em fabricação há 30 anos
por Tony Cartalucci
Publicado originalmente no Landdestroyer em 26.08.2011


O ativista de mídia alternativa David Icke, que vem alertando sobre a natureza falsa do “Primavera árabe” desde que começou há mais de seis meses, apontou um “flashback surpreendente” em um artigo da Newsweek de 03 de agosto de 1981 intitulado “Um plano para derrubar Kaddafi.”


Os detalhes do plano estavam incompletos, mas parecia ser uma clássica campanha de desestabilização da CIA. Um componente era um programa de ‘desinformação’ destinado a embaraçar e constranger Kaddafi e seu governo. Outra era a criação de um “contra governo” para desafiar sua pretensão à liderança nacional. Um terceiro – potencialmente o mais arriscado – era uma campanha de escalada paramilitar, provavelmente por cidadãos líbios descontentes, para explodir pontes, conduzir operações de guerrilha de pequena escala e demonstrar que Kaddafi é contestado por uma força política nativa”.


Comprovadamente este plano acabou de ser executado na íntegra com a adição necessária de uma intervenção da OTAN para socorrer a acima referida campanha “paramilitar” na luta contra as forças de segurança da Líbia – um plano de emergência explicitamente expresso em outra confissão assinada, subsidiada por Wall Street-London, Qual o caminho para a Pérsia?“, da Brookings Institution: Usando Força Militar para Ajudar Revoluções Populares, página 109-110 (página 122-123 do PDF):

“Por conseguinte, se os Estados Unidos nunca conseguem acender uma revolta contra o regime clerical, Washington pode ter que considerar a possibilidade de fornecer-lhe alguma forma de apoio militar para impedir Teerã de esmagá-la”. “Esta exigência significa que uma revolução popular no Irã não parece se encaixar no modelo das “revoluções de veludo” que ocorreram em outros lugares. O ponto é que o regime iraniano pode não estar disposto a ir suavemente na noite tranquila; ao contrário, e diferente de tantos regimes do Leste Europeu, pode optar por lutar até à morte. Nestas circunstâncias, se não houver assistência militar externa para os revolucionários, eles poderão não apenas falhar, mas serem massacrados.

Consequentemente, se os Estados Unidos perseguem esta política, Washington deve levar essa possibilidade em consideração. Ela acrescenta alguns requisitos muito importantes para a lista: ou a política deve incluir maneiras para enfraquecer a força militar iraniana ou enfraquecer a vontade dos líderes do regime em recorrer à força militar, ou então os Estados Unidos devem estar prontos a intervir para derrotá-lo”.


A campanha de desinformação começou em fevereiro quando mentiras evidentes, agora comprovadas, foram informadas ao público, sobre a natureza da revolta e a reação do governo líbio. Quando os mercenários da LIFG Al Qaeda, já endurecidos em batalhas de tanques e aviões, empreenderam a guerra contra o exército líbio, a mídia corporativa em conjunto com países membros da Otan que se preparavam para intervir, retratou a revolta como pacíficos ativistas agitando cartazes sendo mortos indiscriminadamente em grandes quantidades por fogo de metralhadora e bombardeados por aviões de guerra da Líbia. As provas irrefutáveis agora confirmam que nenhuma atrocidade ocorreu! A ONU, no entanto, citando esta desinformação intencional, aprovou a intervenção da OTAN.


A própria natureza dos rebeldes de Benghazi foi enganosamente apresentada ao público. Na verdade, eles são um ajuntamento de extremistas e mercenários, muitos dos quais haviam lutado recentemente no Iraque e no Afeganistão contra forças dos EUA. Estes mercenários, que têm sido apoiados pela CIA e MI6 durante os últimos 30 anos (veja linha do tempo), estão sendo retratados como uma “força de uma política nativaem oposição ao governo da Líbia. Foi recentemente revelado que o comandante rebelde que está tentando tomar Trípoli é ninguém menos que Abdelhakim Belhadj, um quadro da Al Qaeda que foi capturado anteriormente na Malásia, torturado pela CIA em Bangkok, Tailândia, em 2003, antes de ser libertado de volta na Líbia onde ele está agora lutando em nome da OTAN.


Desinformação adicional vem na forma de tentativas de mídia para retratar Qaddafi como um louco incoerente que, apesar da calúnia e depreciação, acabou por ser um dos poucos chefes de estado falando alguma verdade de qualquer modo em relação ao conflito cercando sua nação. A partir de suas alegações anteriores de que a revolta era estrangeira suportada pela Al-Qaeda, às agora comprovadas afirmações de que a rebelião era nada mais do que um meio para introduzir uma ocupação estrangeira e a espoliação dos recursos da Líbia, ele tem estado absolutamente certo.


Como os rebeldes saquearam sua casa e seu complexo no centro de Trípoli, ele agora está sendo capciosamente, de forma desonesta, retratado como um tirano opulento que acumulou recursos do Estado ao custo de sua população. Denunciando a duplicidade dessa mentira é o próprio Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, que lista a Líbia como um dos países mais desenvolvidos na África e é classificado mais acima do que muitas outras nações, incluindo Rússia, Brasil, Arábia Saudita e Malásia. É absolutamente óbvio que a riqueza do petróleo da Líbia foi colocado em bom uso, e como a Líbia tem se assegurado de que as nefastas e desonestas ONGs do Ocidente sustentadas pelas corporações fossem excluídas da sociedade líbia, nenhum outro esclarecimento sobre o desenvolvimento da Líbia existe além das iniciativas próprias do governo.


O que estamos testemunhando na Líbia é uma combinada e aceita guerra de agressão pelos interesses financeiros-corporativos que têm abertamente conspirado para levar a cabo uma campanha de conquista militar e econômica através de todo o Oriente Médio (e além), incluindo o Norte de África e, especificamente, incluindo a Líbia. Do discurso de Wesley Clark de 2007, ao artigo de 1981 da revista Newsweek, nos tem sido passada uma confissão assinada de que “nossos” governos são os verdadeiros inimigos da humanidade livre, mascarando a sua agenda com a mais fina aparência atraente de justificação moral, quase como para insultar a inteligência de tantos que ansiosamente continuam a dar-lhes poder quando eles maliciosamente prosseguem adiante. Mais uma vez, temos que nos comprometermos a identificar os interesses corporativos-financeiros que na verdade estão dirigindo essa agenda, temos de ficar à espreita dos líderes políticos e militares que desfilam diante de nós como os executores da “política internacional”. Devemos também nos comprometermos a boicotar e substituir esses interesses financeiros-corporativos, bem como acabar com o reconhecimento de qualquer legitimidade que infinitamente acumulam para si mesmos.

Leia o artigo completo da Newsweek:

Original em Pastebin

Tradução:
NEWSWEEK
03 de agosto de 1981, Edição dos EEUU
SEÇÃO: ASSUNTOS NACIONAIS; Pg. 19
COMPRIMENTO: 410 palavras
TÍTULO:Um plano para derrubar Kaddafi
CORPO:Para muitos de seus críticos no Capitólio, a questão real sobre o diretor da CIA William J. Casey sempre foi sua capacidade de julgamento. Na semana passada, quando a pressão para a demissão de Casey aumentou, as fontes começaram a vazar detalhes de uma operação planejada da CIA que pareceu enfatizar essas dúvidas. A Newsweek teve conhecimento de que a operação, apresentada à Comissão Especial de Inteligência da Câmara dos Deputados pelo ex-vice-diretor de operações secretas Max Hugel e aprovado por Casey e pela equipe de gerenciamento de crise da Casa Branca, era um esquema em larga escala, multifásico e caro para derrubar o regime líbio do coronel Muammar Kaddafi. O objetivo da CIA, disseram as fontes, era a remoção definitiva de Kaddafi do poder. Para membros da comissão de inteligência da Câmara que analisaram o plano, aquela frase parecia implicar no assassinato de Kaddafi. E, em um passo que os especialistas disseram ser “raro” nos registros secretos de supervisão pelo Congresso das atividades da CIA, a Comissão enviou uma carta com palavras fortes de protesto diretamente para Ronald Reagan.

Os detalhes do plano estavam incompletos, mas parecia ser uma clássica campanha de desestabilização da CIA. Um componente era um programa de ‘desinformação’ destinado a embaraçar e constranger Kaddafi e seu governo. Outra era a criação de um “contra governo” para desafiar sua pretensão à liderança nacional. Um terceiro – potencialmente o mais arriscado – era uma campanha de escalada paramilitar, provavelmente por cidadãos líbios descontentes, para explodir pontes, conduzir operações de guerrilha de pequena escala e demonstrar que Kaddafi é contestado por uma força política nativa. O custo em ajuda secreta americana era alta o bastante, disseram as fontes, para que a CIA precisasse de permissão do Congresso para sacar verbas de uma conta de reserva especial. Até agora, disseram as fontes, o Congresso não aprovou as verbas.


Os membros da Comissão da Câmara, informados por Hugel, estavam céticos sobre a viabilidade e os objetivos do plano. Agentes norte-americanos são proibidos de realizar tentativas de assassinato de líderes estrangeiros, apesar de que um complô armado pelos próprios líbios, presumivelmente, seria legal. Casey, no entanto, negou que a CIA planejasse matar Kaddafi — mas a Comissão, disse uma fonte, “não confia em Casey” e disparou o seu protesto. Na semana passada, a Casa Branca disse que a carta está passando pelo “processo de liberação regular” e ainda não tinha chegado ao Presidente. Quanto à operação em si, que poderia ter começado mesmo sem a aprovação do Congresso, o governo não fez nenhum comentário, qualquer que fosse.

GRÁFICO: Imagem 1, Kaddafi, AP; Imagem 2, Hugel: A meta era a remoção “definitiva”, Mark Reinstein – Photoreporters

Um comentário em “Essa história vem de longe: invasão da Líbia e assassinato de Qaddafi já planejado em 1981

  1. Olá! Preciso entrar em contato com a pessoa que criou este blog. Por favor me mande um e-mail: julianamscastro@gmail.com Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s